Gothan City- Minha Musa Corrompida
 


SagaraNAgens Canibalescas

 

já li  Pessoa

confesso

poema em linha reta

prefiro

tabaria

não gosto

muito disperso

por ser perverso

meu tiro

outras linguagens

sagaranagens na certa

metáforas

só brazilíricas

de joão cabral a bandeira

pedra no fundo do poço

ou então

drummond ou ferreira

poesia

melhor brasileira

na flor da pele

ou do osso

 

 

Pontal.Foto.Grafia

 

Aqui

redes em pânico

pescam

esqueletos no mar

esguadas

descobritmento

escamas de peixe

convento

cabrálias esperas

relento

espinhas secas no prato

e um cheiro podre

no

   AR

 

arturgomes

http://carnavalhagumes.blogspot.com

 



 Escrito por arturdecampos às 14h53
[] [envie esta mensagem] []




Boca do Inferno

por mais que te amar seja uma zorra

eu te confesso amor pagão

não tem de ter perdão pra nós

eu quero mais é teu pudor de dama

despetalado em meus lençóis

 

e se tiver que me matar que seja

e seu eu tiver que te matar que morra

em cada beijo que eu te der amando

só vale o gozo quando for eterno

infernizando os céus

e santificando a boca do inferno

 

Artur Gomes/Luiz Ribeiro

gravada no CD  fulinaíma sax blues poesia

http://arturgomes.zip.net



 Escrito por arturdecampos às 10h55
[] [envie esta mensagem] []




Programa 5 Minutos - Especial Artur Gomes

 Escrito por arturdecampos às 08h38
[] [envie esta mensagem] []




goytacá tupiniquim

 

nunca fui a montes claros

mas conheço um belo horizonte

muitas  vezes  guarapari

outras a pé  por aí

pela vitória do espírito santo

apesar de não ter tanto

tempo eu trampo

a trilha dos capixabas

a taba dos goytacazes

apesar de urbano

vez em quanto

passeio por cataguazes.

 

ArturGomes

http://youutbe.com/carnavalha

 

II Concurso Nacional de Poesia Sobre o Vinho

Veja o regulamento aqui:

http://carnavalhagumes.blogspot.com



 Escrito por arturdecampos às 07h51
[] [envie esta mensagem] []




o concreto do artefato

 

 

ser crítico

nesta mediocreCidade

é crime

eu já conheço este filme

desde outros carnavais

dos idos da tropicália

e se a gente

não avacalha

é como palhaço

sem circo

inocente

bobo da côrte

e

quem não tem

gesto concreto

vive no abstrato

não sabe da lânina

o corte

nunca leu faustino

ou neto

nunca ouviu

falar torquato

não sabe da linha

o destino

ou a trilha

do artefato

 

arturgomes

http://youtube.com/cinemanovo

 

 

 

 



 Escrito por arturdecampos às 14h29
[] [envie esta mensagem] []




VeraCidade

 

porque trancar as portas

tentar proibir as entradas

se eu já habito os teus cinco sentidos

e as janelas estão escancaradas?

um beija flor risca no espaço

algumas letras de um alfabeto grego

signo de comunicação indecifrável

eu tenho fome de terra

e este asfalto sob a sola dos meus pés:

agulha nos meus dedos

 

quando piso na augusta

o poema dá um tapa na cara da paulista

flutuar na zona do perigo

entre o real e o imaginário:

joão guimarães rosa martins fontes caio prado

um bacanal de ruas tortas

eu não sou flor que se cheire

nem mofo de língua morta

o correto deixei na cacomanga

matagal onde nasci

com os seus dentes de concreto

são paulo é quem me devora

e selvagem devolvo a dentada

na carne da rua Aurora

 

Artur Gomes

http://yoube.com/oficinavideo

 

 



 Escrito por arturdecampos às 12h50
[] [envie esta mensagem] []




Quem é Essa Mulher?

 

quem é essa mulher

essa cidade?

que fosse pedra

lama cama

buracos de rua

royalties de petróleo

no esgoto do canal

quem é esta cidade

entregue ao bacanal?

na esuridão

das esquinas

nas eleições nas escolas

onde a barbalha deita e rola

a cadela trai o cão

poema é vergonha na cara

arma voraz

escancara

devassa a corrupção

 

Artur Gomes

http://ladygumes.blogspot.com

 



 Escrito por arturdecampos às 12h04
[] [envie esta mensagem] []




Eu sempre estou por aqui
Esperando que o seja eu não ser
Uma casaca ambulante
- olha um congo, aí! Olha um congo aí!
Me perco no gingado
Uma quebrada a cintura
Um caco do meu rebolado
Nos olhos dos homens.
- você vem sempre aqui?
Eu estou sempre aqui.
Reco reco dos tempos
Cantando o antigo sempre novo
Nos arredores do povo.
E um instrumento de cabeça
Toca antes que anoiteça
E quebra quebra gabiroba
Quebra quebra, meu quadril
Um pedaço do meu rebolado
Ficou no olho de quem viu.

Claudia Gomes

http://fulinaima.blogspot.com

 

 

 

 



 Escrito por arturdecampos às 11h28
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
  BRASIL, Sudeste, CAMPOS DOS GOYTACAZES, Homem


 


 artur gomes
 CarNAvalha
 federico baudelaire
 artur gumes
 lady gumes
 carNAvalha gumes
 caldeirão fulinaímico
 TropicAlice
 SagaraNAgens Fulinaímicas
 fulinaímia vídeos
 carNAvalha vídeos
 cinema novo
 oficina vídeos
 arturgomes vídeolog
 juras secretas
 mvpb
 retalhos imortais do serAfim
 ocupar com arte
 roberto moraes
 dany morreale
 urgente
 Urgente
 A TROlha
 EU PENSO QUE
 Roberto Moraes
 Nação Goytacá
 Lene Moraes
 Associção dos Blogueiros Desocupados
 SampleAndo
 JURAS SECRETAS
 Ademir Assunção
 BraziLírica Pereira A Traição das Metáforas



 Dê uma nota para meu blog